Últimas notícias:

Está na mídia:


Chegou ao fim mais uma temporadada das semanas de moda no hemisfério Norte, a primeira que ensaiou um retorno parcial ao modelo anterior, com desfiles presenciais, street style e todo mise-en-scène à qual nos acostumamos, porém, com ajustes, afinal, uma pandemia global nas proporções que ainda enfrentamos, impossibilita uma volta ao “normal”: A própria definição do termo sofreu shift irrevogável desde Março de 2020.

Está na mídia:

RHODIA LANÇA FIBRA TÊXTIL COM DECOMPOSIÇÃO ACELERADA NOS OCEANOS


A Rhodia, empresa do Grupo Solvay, está lançando a sua primeira fibra têxtil com decomposição acelerada em ambiente marinho. A nova poliamida têxtil, que será produzida na unidade industrial da empresa no Brasil, reduzirá os impactos nos oceanos em aproximadamente 40 vezes em relação à fibra tradicional. O desenvolvimento do novo produto segue a tendência global da crescente demanda e movimentação de mercado por mais produtos têxteis sustentáveis.

Está na mídia:

SETOR TÊXTIL RELATA DIFICULDADES


Cerca de 65% dos produtores de têxtil, confecção, fornecedores ou tecelagem do Brasil relatam alguma dificuldade no abastecimento de insumos e matérias-primas como tecidos, fibras artificiais e sintéticas, ou algodão. De acordo com o levantamento realizado pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), o setor tem sofrido pressões no custo de produção por conta da logística, transporte e aumento dos preços internacionais. Pelo menos 19% dos fabricantes perceberam uma variação de 21% a 30% nos preços das matérias-primas nos últimos 12 meses. Além da alta do custo para produzir, alguns dos entrevistados afirmaram que há, inclusive, falta de alguns itens importantes para a confecção.

Está na mídia:

TECNOLOGIA INÉDITA ALEMÃ SERÁ EXPOSTA NA FEBRATEX 2022


A marca alemã é especialista em máquinas de enfestar e cortar matérias-primas técnicas têxteis, como fibras de carbono e de vidro, ou mesmo aramados. “Os equipamentos foram desenvolvidos com foco em materiais de uso diário, como couro, tecidos industriais e os usados na fabricação de roupas. Os visitantes da Febratex poderão conhecer a cortadora automática Kuris TC2222 e a enfestadeira A55”, destacou Luiz Henrique Ferreira, CEO da Galileu Tecnologia.

Está na mídia:

INCLUSÃO FASHION: BRASIL AVANÇA NA MODA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS



Considerado um dos mais brilhantes cientistas da história, o britânico Stephen Hawking (1942-2018) deixou informações preciosas para a melhor compreensão do universo. O astrofísico tem também sua imagem ligada à esclerose lateral amiotrófica, doença neurodegenerativa que o obrigou a usar uma cadeira de rodas. Entre todos os desafios de Hawking, porém, existia um que, embora óbvio, não chamava tanta atenção quanto as complexas equações que nos ajudaram a conhecer melhor os buracos negros ou como se deu o big bang. Ele não conseguia se vestir sozinho por causa das limitações impostas a seu corpo. Essa é uma enorme complicação para pessoas com deficiência.

Está na mídia:

ARTESÃS DE SP MANTÊM VIVA A PRÁTICA DO CROCHÊ ENTRE GERAÇÕES



A artesã Cristina Fernandes, 29, criou há cerca de dois anos a Atelier Lady Brown, marca de roupas e acessórios de crochê e tricô. Ela mantém a produção das peças na casa onde mora, em Ermelino Matarazzo, na zona leste de São Paulo, e realiza as vendas em uma loja virtual e pelas redes sociais. Na família dela, a prática e a confecção atravessam gerações. “Sempre via minha mãe e minha avó fazerem um monte de coisas. Minha tia pintava panos de prato e minha mãe fazia as barrinhas de crochê. Elas sempre foram muito artistas”, conta Cristina.

Está na mídia:

O PREÇO DA GUERRA DA UCRÂNIA E DA COVID-19 PARA A INDÚSTRIA DA MODA


A invasão da Ucrânia pela Rússia tem afetado diretamente os custos da indústria da moda do país. Segundo uma pesquisa da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção a Abit, que VEJA teve acesso, 75% das empresas desse segmento reportaram alguma dificuldade no abastecimento de insumos e matérias-primas, seja pela falta de itens, aumento do nível internacional dos preços, logística ou transporte.

Está na mídia:

MODA SUSTENTÁVEL: FALTA DE INFORMAÇÃO ENTRE OS CONSUMIDORES É PRINCIPAL OBSTÁCULO


Segundo o estudo IFM / Première Vision, 90% dos consumidores franceses, italianos, alemães, britânicos e americanos querem vestir-se de forma mais responsável. Este interesse crescente está fortemente ligado à escolha de materiais e à proximidade da produção. Contudo, o principal obstáculo já não é o preço mas a falta de informação entre os consumidores, de acordo com o referido estudo realizado pela cadeira Première Vision no Institut Français de la Mode.

Está na mídia:

COTONICULTORES BRASILEIRO RECEBEM MISSÃO COMERCIAL DA ÁSIA, AMÉRICA DO NORTE E EUROPA


Segundo maior exportador da pluma, atrás apenas dos Estados Unidos, os cotonicultores brasileiros recebem nos próximos dias representantes da indústria têxtil e de fiação de Bangladesh, Coreia do Sul, Paquistão e Vietnã (Ásia), México (América do Norte) e Turquia (Europa) para uma visita de sete dias. O objetivo é mostrar como se dá a produção da pluma no País, a fim de aumentar o volume de comércio entre o setor e os respectivos países e aprofundar a presença brasileira nos continentes, especialmente na Ásia, maior comprador da fibra do Brasil. A missão chega ao País no dia 29 e, até o dia 4 de agosto, percorrerá fazendas e unidades de beneficiamento, localizadas no Mato Grosso e na Bahia.

Está na mídia:

GRUPO SOMA CONTA COMO DÁ NOVA VIDA ÀS SOBRAS TÊXTEIS E RESÍDUOS


O Grupo Soma lançou recentemente seu Relatório Integrado de 2021, trazendo pela primeira vez dados unificados com a Cia Hering. A gestão de sobras têxteis e resíduos recicláveis receberam destaque no pilar ambiental da agenda ESG. Em busca de minimizar o desperdício, a empresa traçou como uma de suas principais metas ser Aterro Zero até 2030 e, para isso, investiu no último ano em processos ecoeficientes e treinamentos para colaboradores. Somente em 2021, foram 3,6 mil toneladas de sobras têxteis reaproveitadas e 5,1 mil toneladas de resíduos encaminhados para reciclagem.

Está na mídia:

DESAFIOS DA SUSTENTABILIDADE ESG-DEI COM GRANDES PLAYERS DO MERCADO NO DENIM MEETING


Com público de 200 profissionais presenciais e 470 espectadores que acompanharam pelo Youtube, essa edição do Denim Meeting trouxe o tema “Sustentabilidade: Desafios da Indústria Têxtil no Conceito Avançado ESG-DEI”, com convidados muito importantes de todo o processo produtivo e, que abordaram o novo momento do mercado inserido no contexto atual sobre todos os fatores que permeiam as questões sustentáveis, com cases do setor que estão trabalhando em cima do conceito ESG-DEI. “Networking, muita energia boa por poder estar de volta ao evento presencial, essa conexão é fundamental e ainda mais por estarmos na Denim City SP. Foi enriquecedor para todos os presentes”, afirma Marlene Fernandes, CEO do Guia Jeanswear e uma das criadoras do Denim Meeting.

Está na mídia:

DONA DA ZARA QUER ACABAR COM A FAST FASHION: INDITEX TEM NOVA ESTRATÉGIA E JUNTA-SE À EURATEX


A Inditex começou como uma empresa vertical, com várias fábricas em Espanha, para a compra da produção a terceiros, com o foco no desenho e na distribuição. Agora, a pressão legislativa e as questões de sustentabilidade cada vez mais intrínsecas ao mundo empresarial fazem a gigante retalhista mudar a sua estratégia, com foco em reduzir a pegada de carbono em toda a cadeia de valor.

Está na mídia:

ANUÁRIO BRASILEIRO DO ALGODÃO MOSTRA EVOLUÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA


Os avanços da cotonicultura brasileira, liderados pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), junto às estaduais e aos produtores podem ser conferidos na edição 2022 do Anuário Brasileiro do Algodão. A publicação é uma iniciativa da Editora Gazeta e está disponível online. São informações sobre produção, mercado, melhorias tecnológicas e sustentáveis, e que movimentam toda a cadeia algodoeira.

Está na mídia:

COSTANZA PASCOLATO SOBRE A MODA NACIONAL: "ERRADO É ACHAR QUE VAMOS VOLTAR A VIVER COMO ANTES"


Empresária, consultora, avó, observadora do comportamento urbano, analista de tendências, ícone da moda, referência de elegância e, especialmente, divertidíssima. Costanza Pascolato, 82 anos, sempre esteve em alta. Presença brilhante nas altas rodas fashion no Brasil e no exterior, ela agora propõe uma interação diferente. Em seu novo projeto, o livro-caixinha Puxa Conversa Moda (Matrix Editora, R$ 43), apresenta cem cartas com perguntas sobre estilo para serem respondidas e comentadas entre amigos.

Está na mídia:

CALCULE O IMPACTO AMBIENTAL DE SUAS ROUPAS COM NOVA FERRAMENTA ONLINE


O Repassa, plataforma online de compra e venda de vestuário, calçados e acessórios da Lojas Renner, acaba de lançar a Calculadora do Bem. A ferramenta, disponível online, permite ao consumidor mensurar o impacto ambiental causado por suas roupas. O cálculo é realizado de acordo com a quantidade e a classificação das peças de cada pessoa. De modo fácil e rápido, é possível separar as peças entre: calças; blusas, camisetas e camisas; shorts e saias; vestidos; casacos, jaquetas, blazers, malhas e suéteres; moda fitness e praia. A partir do resultado obtido, o consumidor saberá a quantidade de água e energia que foram consumidas para a produção das peças, além da quantidade de CO2 emitida no processo.

Está na mídia:


O valor de marcas como a Uniqlo e a Primark, que preconizam a chamada fast fashion, caiu em 2022, enquanto as marcas do mundo do desporto, nomeadamente a Nike, e do universo do luxo, com destaque para a Louis Vuitton, foram mais bem sucedidas.O estudo Brand Finance Apparel 50 de 2022 revela que a Nike e alguns dos seus principais concorrentes vão continuar a beneficiar da tendência de vestuário casual e sportswear que começou durante a pandemia de covid, num cenário onde o luxo também está a ganhar, ao contrário do que sucede com as promotoras da fast fashion.

Está na mídia:


A indústria da moda está repleta de certificações de sustentabilidade – são mais de 100 – e, ainda sim, é um dos setores menos regulamentados do mundo. Com a situação da emergência climática tocando cada vez mais pessoas, e subindo na agenda de grandes marcas, elas também correm para garantir seu selo sustentável. Mas um novo estudo aponta que os programas de certificação, na verdade, representam uma forma altamente sofisticada de lavagem verde. O motivo principal, salienta o estudo, é que as metas são feitas de forma voluntária e não há penalização legal caso não sejam cumpridas – fazendo com que pouco, ou nada, de compromissos pareça uma grande ação ambiental.

Está na mídia:

PARA GARIMPAR: BRECHÓS E BAZARES DE SP QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

Há quem tenha seus preconceitos mas, cá entre nós, bazar e brechó é tudo de bom! Claro que é necessário garimpar bem para achar as peças que combinem com o seu estilo – mas convenhamos que é a parte a parte a mais legal do processo. E acertando nos looks, você consegue renovar seu guarda-roupas gastando bem menos comparado à peças novas de fast fashions.

Está na mídia:


Indústrias têxteis estão reduzindo a atividade em virtude das altas do preço do algodão e da dificuldade de repasse do custo mais alto da matéria-prima na cadeia, disse o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Pimentel. Segundo ele, este é um dos problemas “mais graves” que o setor enfrenta neste momento no Brasil e no mundo.

Está na mídia:


A indústria da moda brasileira é bem particular. Tendemos a pensar que a roupa que compramos aqui é produzida em outros países, principalmente países asiáticos. Porém, a verdade é que a indústria da moda brasileira é um pouco mais complexa do que isso. Os últimos dados divulgados pela Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), de 2017, totalizaram 8,9 bilhões de peças produzidas e 6,71 bilhões de peças consumidas em solo nacional, com uma porcentagem tímida de cerca de 15% de itens importados. Além de sermos autossuficientes na produção de vestuário, o Brasil é hoje o 5º maior produtor têxtil e 4º maior confeccionista do mundo.

Está na mídia:

MODELOS DE NEGÓCIO CIRCULARES PODEM GERAR US$ 700 BILHÕES NA INDÚSTRIA DA MODA


Um novo estudo da Fundação Ellen MacArthur mostrou o potencial que os modelos de negócio circulares oferecem para a indústria da moda. Os novos modelos tem o potencial de tomar 23% do mercado de moda global até 2030 e aproveitar uma oportunidade de US$ 700 bilhões. O relatório Modelos de Negócio Circulares: redefinindo o crescimento para criar, mostrou como os modelos de negócios circulares podem gerar uma receita maior, ao mesmo tempo que reduzem o volume de novas roupas e acessórios produzidos.

Está na mídia:

CNI: INDÚSTRIAS OPERAM EM 68% DE SUA CAPACIDADE EM FEVEREIRO


A Sondagem Industrial, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) aumentou 1 ponto percentual em fevereiro de 2022, para 68%, em relação a janeiro. Com isso, o percentual passa a situar-se exatamente no valor da média para os meses de fevereiro. A UCI é inferior ao registrado no mesmo mês do ano passando, mas naquele período a indústria vinha de alguns meses de atividade excepcionalmente alta, por conta da recuperação após os meses de paralisação gerados pela pandemia. Já a produção e o emprego seguem em queda. O gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, explica que a queda na produção e no emprego é típica para o início do ano.

Está na mídia:

CIENTISTAS DISCUTEM POSSIBILIDADES PARA ELIMINAR CORANTES DOS RIOS EM PERNAMBUCO


Acontece nesta terça-feira (22), o circuito de painéis promovido pelo Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (Cetene), voltado para a busca por tecnologias que eliminem os corantes dos rios em Pernambuco, causados pelo descarte da indústria têxtil no Estado. Na data, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o Dia Mundial da Água, que em 2022 provoca entidades de todo o globo a discutir a preservação do recurso natural a nível subterrâneo. O circuito de painéis começa às 9h, no canal do Cetene, no YouTube.

Está na mídia:

MODA BARATA, GRIFADA E CONSCIENTE: LARGO DO AROUCHE É POLO DE BRECHÓS EM SP


No bairro da República, o Largo do Arouche representa uma clássica mistura da região central de São Paulo: ao mesmo tempo que escancara uma série de problemas sociais, é também um lugar histórico e cultural para a capital paulistana. Basta andar pelo local para encontrar esculturas, tais como "A Menina e o Bezerro" (Luiz Christophe, 1910) e "Amor Materno" (Charles Virion, anterior a 1910), escondidas entre as árvores e prédios antigos. Hoje, são os brechós quem estão se tornando um dos principais diferenciais da praça, atraindo as mais diversas gerações — desde os jovens "do chão de taco e samambaia" até os mais velhos.

Está na mídia:

MALWEE E PANTYS CRIAM LINHA INÉDITA DE CALCINHAS ABSORVENTES


A Malwee se uniu à Pantys, marca de calcinhas absorventes, para apresentar uma nova opção reutilizável e sustentável para os ciclos menstruais. As peças serão produzidas em malha, em uma linha inédita que chega, com exclusividade, ao e-commerce da Malwee e às lojas da rede Aqui Tem Malwee em todo o Brasil. As calcinhas da nova linha Malwee e Pantys ganharam três tipos de malhas da Malwee: a malha canelada de viscose, produzida a partir de reflorestamento certificado; a malha cinza mescla, feita com garrafas PET recicladas; e a malha preta, produzida com apenas 20% da água necessária para a fabricação de um produto convencional.

Está na mídia:

METAVERSO GANHA SUA PRÓPRIA SEMANA DE MODA


O Metaverso já tem uma Semana de Moda para chamar de sua. No próximo dia 24 de março, a plataforma Decentraland realizada a primeira Metaverse Fashion Week, com quatro dias de desfiles, showrooms, lojas, palestras e eventos virtuais. E o melhor: qualquer um pode participar. A expectativa da organização é reunir nomes de peso no evento. Entre as participantes confirmadas no evento estão marcas como Hugo Boss, Burberry, Paco Rabanne, Tommy Hilfiger, Dolce & Gabanna e Balenciaga, além da possibilidade da presença de outras grifes, emergentes e criadores digitais.

Está na mídia:

O FIM DOS TECIDOS DE BASE PETROQUÍMICA? AS FIBRAS BIOSSINTÉTICAS SÃO O FUTURO DOS TÊXTEIS


De acordo com The Nature of Fashion, um relatório de 2021 publicado pelo Biomimicry Institute, mais de 60% das fibras têxteis são sintéticas derivadas de produtos petroquímicos. As fibras petroquímicas, sejam feitas de matérias-primas recicladas ou virgens, não são biodegradáveis. Além disso, os processos usados ​​para fazer essas fibras liberam produtos químicos de gases de efeito estufa (GEE) e outros resíduos, que se acumulam em nosso solo, ar e água no final da vida útil.

Está na mídia:

GRANDES VAREJISTAS SE COMPROMETEM A APOIAR OS PEQUENOS PRODUTORES DO PAÍS


O Dia Mundial do Consumidor (15 de março) está se aproximando e, com isso, alguns dos grandes varejistas brasileiros se comprometeram a apoiar pequenos produtores. Bandeiras como Carrefour, GPA, Quitanda, St. Marche, Mundo Verde e Raízs anunciaram a adesão ao “Manifesto das Marcas Locais”, um movimento de apoio a pequenos e médios produtores brasileiros, que os beneficia dando mais abertura e flexibilização a eles. O conceito foi idealizado pela Local.e, startup que ajuda marcas locais a terem mais sucesso no varejo.

Está na mídia:


Solvay(*) atua com a marca Rhodia, que criou um projeto com uniformes recicláveis para colaboradores de todo o parque fabril. O objetivo é chamar atenção para o problema da falta de reciclagem de resíduos têxteis devido à mistura na composição e incentivar marcas a se unirem para diminuir o impacto da indústria da moda. A era da produção em escala vem crescendo exponencialmente, principalmente nas duas últimas décadas, e esse aumento no consumo fez com que a indústria têxtil dobrasse sua produção de itens. Atualmente, o setor consome 79 bilhões de metros cúbicos de água e gera 175 mil toneladas de resíduos têxteis por ano, respectivamente, mas apenas 10% deles são reciclados.

Está na mídia:


O Sistema Abrapa de Identificação (SAI) está aberto, a partir de 01.03.2022, para emissão de etiquetas para a safra 2021/2022. Implementado em 2004 pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, Abrapa, o SAI permite o rastreamento da origem e da qualidade da fibra através da etiqueta aplicada nos fardos de algodão beneficiado, conferindo confiabilidade ao produto brasileiro. Cada etiqueta possui uma sequência numérica de código de barras, que individualiza fardo por fardo, composta de 20 dígitos. Os dois iniciais,(00) identificam o tipo de código EAN/UCC, seguidos do dígito de extensão, que indica se a Unidade de Beneficiamento de Algodão (UBA) é matriz ou filial (0 a 9). Os 6 próximos números são o código GS1 da UBA. Logo após, vem a identificação da prensa. Os 6 dígitos seguintes são a numeração do fardo e o final é o verificador. Com essa composição, tem-se a garantia de individualização dos fardos, uma espécie de "certidão de nascimento".

Está na mídia:


O custo humano da guerra é, sem dúvida, o mais preocupante, depois de Vladimir Putin ter tomado a iniciativa de invadir a Ucrânia no passado dia 24 de fevereiro. A somar a mortos e feridos, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) aponta para que a 28 de fevereiro tenham abandonado o país quase 500 mil pessoas, aos quais se somam mais de 100 mil deslocados internos. Portugal, onde houve várias manifestações de apoio, já se mostrou disponível para receber refugiados ucranianos e proporcionar-lhes não só abrigo, mas também emprego, nomeadamente nas indústrias têxtil, vestuário e calçado.

Está na mídia:


Conforme detalhado pelo jornal local La Gaceta, o anúncio foi feito pelos acionistas da empresa em reunião com o governador da referida província, Osvaldo Jaldo. As máquinas em questão são da indústria japonesa e são teares de última geração da marca Toyota que lhes darão mais competitividade nacional e a possibilidade de exportar para outros países. Marcelo Arabolaza, gerente geral da Santista, explicou que a empresa está atualmente na segunda fase do projeto de investimento que começou no ano passado. A ideia é aumentar sua capacidade de produção em 30% a partir de 2023 com maior eficiência energética e hídrica.

Está na mídia:


No pico da pandemia de Covid-19, em 2020, o mercado mundial de jeans ficou estimado em 57,3 bilhões de dólares, um número que deverá somar mais 18,8 bilhões de dólares até 2026, para atingir 76,1 bilhões de dólares. “O offline, um dos segmentos analisados no estudo, deverá crescer a uma taxa anual composta de 3,7%, atingindo 60,8 bilhões de dólares no final do período em análise. Depois de uma análise profunda das implicações para o negócio da pandemia e da crise económica que provocou, o crescimento no segmento online foi reajustado para uma taxa anual composta de crescimento de 9,2% para o próximo período de sete anos. Este segmento representa atualmente uma quota de 17,7% do mercado mundial de jeans”, aponta a ReportLinker.

Está na mídia:

RECICLAR PARA REINVENTAR


As primeiras produções da Leninha foram cortadas e costuradas pelos dois sócios fundadores da marca, Maria Antonia e Miguel. Desde aquele primeiro momento, a discussão sobre o que aconteceria com aquelas peças que estavam sendo produzidas, ao final de sua vida útil, esteve presente. O incômodo de colocar mais peças no mundo sem que existisse uma solução para as peças que ja existiam nos acompanha desde os primeiros dias da marca. Ao longo dos dois anos seguintes, continuamos pesquisando, fazendo ligações e buscando projetos que pudessem solucionar a falta de encaminhamento desses descartes.

Está na mídia:

EMPRESA BRASILEIRA SE ESPECIALIZA EM RECICLAGEM DE ROUPAS ÍNTIMAS


O que fazer com roupas íntimas que já não usamos mais? Pensando em responder essa pergunta frequente, a marca Leninha Roupa de Baixo passou a recolher, desde 2019, calcinhas, cuecas e sutiãs de todo Brasil para transformar em almofadas. O projeto “Reciclar para reinventar” tem como objetivo a coleta de roupas de baixo em qualquer estado de conservação, para reciclagem de resíduos têxteis que dificilmente seriam descartados corretamente, indo parar nos aterros sanitários ou nos lixões irregulares.

Está na mídia:

INSCRIÇÃO PARA O CONGRESSO INTERNACIONAL SUSTEXMODA ATÉ DIA 28/02/22!


Informamos que o prazo para submissão dos resumos para participação do III Sustexmoda, será até dia 28 de Fevereiro de 2022. O e-mail para o envio dos resumos: sustexmoda.apoio@usp.br .

Comissão Organizadora do III Sustexmoda.

Está na mídia:

ESTILISTA GAÚCHA QUE CRIA VESTIDOS DE NOIVA SUSTENTÁVEIS É CONVIDADA PARA A SEMANA DE MODA DE NOVA YORK


A marca registrada da estilista porto-alegrense Sandra Ferraz é a união entre estilo e sustentabilidade para vestir noivas. Com o conceito zero waste fashion, que reúne técnicas de corte e manipulação de tecidos que evitam retalhos, e fazendo uso de materiais naturais, ela chamou a atenção do mercado internacional de moda. A visão contemporânea da coleção Régia levou a empreendedora a ser convidada a participar da curadoria da Flying Solo, do tradicional bairro Soho, em Nova York, nos Estados Unidos, um dos mais conhecidos pontos de moda no mundo. E mais: a marca também já recebeu convite para desfilar em uma das duas edições da Semana de Moda de Nova York em 2022.com a Roblox.

Está na mídia:

METAVERSO GANHA FORÇA NA MODA


O Lyst Index Q4 2021, que revela as 20 marcas e os 10 produtos mais fortes tanto para homem como para mulher a cada trimestre com base no comportamento dos consumidores da Lyst, mostra que as marcas estão agora a fazer experiências com o metaverso e aponta que o futuro da moda pode estar no entretenimento. O estudo salienta que as marcas começaram a testar experiências virtuais e vendas inspiradas no metaverso no período de outubro a dezembro, ao mesmo tempo que o futuro da moda mais vasto parece estar no entretenimento, na colaboração e nas comunidades.

Está na mídia:

ROUPA DE CAMA TRATA ECZEMA E PSORÍASE


A roupa de cama, a que a Lifeloom chamou Frictionless Sleep System, incorpora a tecnologia desenvolvida pelo Precision Fabrics Group – que produz uma gama alargada de têxteis especializados, desde têxteis médicos, como batas hospitalares, a tecidos acústicos para a indústria automóvel – e é produzida com fibras de filamentos, que mantêm a superfície plana do tecido. «A tecelagem especial permite ter uma superfície muito mais limpa, hipoalergénica e sem borboto e isso cria um microclima melhor», garante Bradley Seipp, diretor de operações da Lifeloom, citado pelo Sourcing Journal. «Quanto menos irritamos a pele, e mais fácil é movimentar-nos nos lençóis, melhor dormimos, mesmo com pele sensível», acrescenta.

Está na mídia:

LUANA PIOVANI INVESTE EM MODA CIRCULAR: 'ABOMINO O DESPERDÍCIO'


No guarda-roupa de Luana Piovani, peças garimpadas em brechós mundo afora indicam a atenção da atriz ao upcycling. Da mesma forma, o que não usa mais, ela passa adiante. O interesse por moda circular começou cedo, muito antes do nome ou o conceito se popularizar. "Na minha casa eu já usava a roupa da minha prima mais velha", conta ela à Marie Claire. "Sempre foi natural não descartar, e sim reaproveitar", continua Luana. "Mas a primeira peça de brechó (e ainda tenho) foi um casaco longo de couro que comprei em Hamburgo", diz.

Está na mídia:

TÊXTIL E VESTUÁRIO À PROCURA DA PRÓXIMA GERAÇÃO DE MATERIAIS


Em 2020, foram produzidas, em todo o mundo, 109 milhões de toneladas de fibras, de acordo com um estudo recente da Textile Exchange, que revela que a «produção de fibras praticamente duplicou nos últimos 20 anos» e que «embora não seja ainda claro como a pandemia e outros fatores poderão impactar o desenvolvimento no futuro, espera-se que aumente mais 34%, para 146 milhões de toneladas, em 2030, se a indústria regressar ao negócio como habitual». Este aumento na produção de fibras, explica, «tem impactos significativos nas pessoas e no planeta. A consciência de uma necessidade urgente na utilização de meios e na separação entre crescimento e consumo de recursos está a aumentar. Contudo, a mudança não está a acontecer à escala e rapidez necessárias», salienta o estudo.

Está na mídia:

QUAL SERÁ O LUGAR DA CHINA EM 2022?


Durante décadas, a China tem sido uma referência no sourcing de vestuário, graças aos custos baixos, uma mão de obra qualificada e à integração vertical da indústria. Contudo, aponta uma análise do Just Style, nos últimos três a cinco anos, o sourcing de vestuário tornou-se mais desafiante, não só por causa da pandemia de covid-19, mas também pelo aumento nos custos de transporte, atrasos nos portos e falta de motoristas nos transportes rodoviários do Ocidente. Com termos como nearshoring e onshoring a surgirem frequentemente nas notícias e nos debates, com o apelo a uma produção mais próxima ou mesmo nos mercados dos EUA e da Europa, há quem arrisque dizer que o domínio da China pode estar a chegar ao fim.

Está na mídia:

GRANDES COMPANHIAS COMEÇAM A TESTAR O METAVERSO NO VAREJO ON-LINE


O mundo do consumo vive de ondas e há boas chances de o varejo estar assistindo, agora, o início de um novo movimento que tentará deixar para trás o que se conhece hoje por comércio eletrônico. Está em andamento a construção do “metacommerce”, plataforma proveniente do metaverso, o espaço virtual coletivo e hiperrealista, oriundo dos “games”, e os grandes grupos de consumo e tecnologia desenham ações para tentar ganhar dinheiro com isso.

Está na mídia:

SENAI CETIQT: EVENTO QUE CELEBROU LANÇAMENTO DO RELATÓRIO NUSEC CONTOU COM PAINEL SOBRE O PACTO GLOBAL


Recentemente contamos a você, leitor, sobre a a live promovida pelo SENAI CETIQT para apresentar o relatório do primeiro ano do Núcleo de Sustentabilidade e Economia Circular, (NuSEC), fruto de parceria com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil (ABIT). Ressaltei que ele foi estruturado como catalisador de soluções para a promoção da sustentabilidade e economia circular como parte integrante das estratégias de negócios e operações da indústria da Moda. É um verdadeiro centro de referência para apoiar o setor têxtil e de confecção no Brasil e colocará o país no mapa da modernidade em termos de práticas ecologicamente responsáveis, que lhe permitam abrir novos mercados. Agora, é importante jogar luz ao painel sobre o Pacto Global, com o coordenador de Adesão e Engajamento do Pacto Global Brasil, Pedro Augusto, e as ações da plataforma multissetorial de colaboração e inovação Colabora Moda Sustentável, com direção de Lucilene Danciguer.

Está na mídia:

VOZES DO AGRO: PANDEMIA EXPÕE GARGALOS NA LOGÍSTICA MARÍTIMA INTERNACIONAL


O reaquecimento da demanda mundial - resultado dos pacotes de resgate de diversos governos e da vacinação em massa - é, sem dúvida, uma excelente notícia para a economia global. Por outro lado, traz problemas conjunturais e expõe gargalos estruturais na logística internacional de trânsito de mercadorias. O que vemos, hoje, é uma escassez de contêineres, com escalada sem precedente nos custos dos fretes e enormes filas em portos ao redor do planeta, comprometendo o fluxo de importações e exportações. O atual cenário marítimo-portuário impõe desafios ao agronegócio brasileiro, de uma forma geral, e à cotonicultura em particular.

Está na mídia:

GUCCI, BURBERRY E MAIS: MARCAS DE LUXO INVESTEM ALTO NO MERCADO DE USADOS E VINTAGE


O número é alto: 40 bilhões de dólares por ano, segundo pesquisa do Boston Consulting Group. E deve crescer ainda mais, de 15 a 20% nos próximos cincos anos. Comprar roupas usadas e vintage está tão na moda que grandes e tradicionais marcas de luxo estão investindo cada vez mais nesse segmento. Um movimento que já vem acontecendo há algum tempo, mas que foi impulsionado ainda mais durante a pandemia. Culpa do lockdown ou não, a verdade é que durante a epidemia da Covid-19 as pessoas tiveram tempo de sobra para esvaziar seus armários, e decidir vender tudo pela internet. É o que acredita grandes players digitais como Vinted, Collector Square, e mais recentemente, Imparfaite Paris.

Está na mídia:

DESCOLADA DA REALIDADE, INDÚSTRIA DA MODA TEM DIFICULDADE EM TRAÇAR COMPROMISSOS CLIMÁTICOS E CONTRA O DESMATAMENTO


A indústria da moda é responsável por 4% das emissões globais dos gases de efeito estufa, se interliga com diversos problemas socioambientais como desmatamento, contaminação de solo e água, conflitos de terra com povos originários, uso de fontes não renováveis e geração de resíduos ao longo de toda sua rede produtiva. E, ainda sim, ela parece descolada da urgência climática e ambiental na qual vivemos. Na sua 4ª edição, o Índice de Transparência da Moda Brasil (ITMB) aponta para a melhora na divulgação de dados sobre transparência no setor, mas deixa claro que ainda falta muito para chegarmos onde deveríamos estar. Elaborado pelo Fashion Revolution CIC e Instituto Fashion Revolution Brasil, o relatório revela o nível de publicação de dados sobre política, práticas e impactos socioambientais de cinquenta grandes marcas e varejistas no mercado brasileiro.

Está na mídia:

O DEBATE SOBRE A PADRONIZAÇÃO DE MEDIDAS NA INDÚSTRIA DA MODA


No mês em que a ABNT aprova uma nova norma orientadora para tabelas de medidas de vestuário, conversamos com consumidoras, especialistas e modelistas para entender como abranger a diversidade corporal brasileira na hora de criar uma peça de roupa. ''Um macacão não fica um macacão em mim. Fica curto ou justo nas virilhas, é muito complicado'', relata a criadora de conteúdo Juliana Oliveira sobre sua experiência comprando roupas sendo uma mulher de 1,80m. ''Hoje, a maioria das peças que tenho são confeccionadas por costureiras'', diz ela, ao partilhar a solução que encontrou.

Está na mídia:

ALGODÃO ORGÂNICO EM AGROFLORESTA PODE TRANSFORMAR A INDÚSTRIA TÊXTIL


Sustentabilidade é um tema muito importante em todos os segmentos da sociedade. Discussão recorrente entre as indústrias, no segmento têxtil o tema tem conquistado maior espaço a cada tendência, transformando o comportamento de consumidores e empresas produtoras. Diante desse cenário, uma importante iniciativa entre o hub de inteligência florestal Pretaterra e empresa brasileira especializada em projetos de supply chain regenerativos, a Farfarm, tem focado no cultivo de algodão em sistemas agroflorestais. Essa ação conjunta de produção algodão orgânico em agrofloresta é capaz de fornecer uma fibra que reduz as emissões de GEE em 58% em relação ao cultivo do algodão convencional. Além disso, o cultivo também abre caminho para que outras espécies secundárias de valor ecológico e econômico sejam abraçadas.

Está na mídia:

RIACHUELO LANÇA PLATAFORMA DE ALUGUEL DE ROUPAS


A varejista Riachuelo se une à empresa brasileira de aluguel de roupas Clorent e lança uma plataforma para locação de peças selecionadas. Disponível no site da marca, o serviço Alugue Riachuelo busca acompanhar um novo comportamento do consumidor e chega em três versões: one shot, o aluguel único de uma – ou mais – peças, assinaturas mensais e as malinhas de viagem. “Acreditamos em uma cadeia de consumo circular, que faça a moda rodar e aumentar a vida útil do produto. O aluguel de roupas, na prática, é uma das soluções para um consumo e uma moda mais consciente”, diz Marcella Kanner, head de comunicação e marca da Riachuelo.

Está na mídia:

NEGÓCIOS DA ECONOMIA CIRCULAR PODEM REPRESENTAR US$ 700 BILHÕES NA INDÚSTRIA DE MODA ATÉ 2030


Segundo relatório da Fundação Ellen MacArthur, modelos de negócio apoiados em práticas como aluguel e revenda podem ocupar 23% do setor nos próximos anos. Modelos de negócio baseados na economia circular têm potencial para ocupar 23% da indústria global da moda, representando um mercado equivalente a US$ 700 milhões até 2030. É o que aponta um estudo desenvolvido pela Fundação Ellen MacArthur. A economia circular é um conceito que busca integrar de forma inteligente processos, materiais e produtos, com o objetivo de gerar renda e proteger o meio ambiente. O modelo é baseado em pilares como a diminuição da poluição e do desperdício, circulação de materiais e produtos e regeneração da natureza.

Está na mídia:

VANISH BRASIL PATROCINADORA OFICIAL DO JUNTAS FESTIVAL QUE ACONTECE DIA 04/12


O Juntas Festival vai trazer a força da coletividade e do protagonismo feminino, um festival 100% online e gratuito para você. O SUSTEXMODA em parceria com @vanishbrasil vai participar do Talk sobre Consumo Consciente: Moda e Sustentabilidade. A professora Francisca Dantas Mendes junto a outras 4 mulheres incríveis: Luiza Brasil, Larissa Ramos, Daniella Rodrigues e como mediadora Rita Batista, falarão sobre o que é o consumo consciente, como ele se manifesta no campo da moda, como podemos adotar práticas mais conscientes no nosso dia a dia. Será dia 04 de dezembro as 16h40 no Canal do YouTube do Juntas Festival, te aguardamos por lá!

Está na mídia:

APRENDA COMO TIRAR MOFO DE ROUPA COM TÉCNICAS CASEIRAS QUE DISPENSAM O USO DE PRODUTOS DE LIMPEZA PREJUDICIAIS


Aquela sensação de pegar uma roupa ou uma toalha guardadas no armário e ser surpreendido com um cheiro desagradável de mofo e com manchas verdinhas é de doer. Além do cheiro desagradável ficar nas suas roupas, o mofo pode se espalhar para fora do armário e impregnar toda a casa. Por isso, saber como tirar mofo de roupa é um conhecimento dos mais importantes – e não requer o uso de produtos químicos nocivos para sua saúde.

Está na mídia:

RIACHUELO APRESENTA LOJA DO AMANHÃ E REFORÇA COMPROMISSO COM SUSTENTABILIDADE


A intitulada “Loja do Amanhã” em Jacarepaguá é a 13ª unidade com adoção de forro técnico, que auxilia na redução da reverberação acústica, e uso de tintas à base d’água com menos emissão de poluentes, compostos orgânicos voláteis e com elementos que remetem à biofilia. “A loja Jacarepaguá nasce junto com o projeto CRIA! movimento da Riachuelo para mais do que ser sustentável, democratizar a sustentabilidade. Ele será responsável por ser o guarda-chuva que envolverá todas as iniciativas da marca dentro do pilar de responsabilidade socioeconômica de toda a cadeia produtiva”, apontou Elio Silva, diretor executivo de Canais e Marketing da Riachuelo.

Está na mídia:

COMO A MODA SE ADAPTOU AO NOVO CENÁRIO COM "ESCAPISMOS POSSÍVEIS”


Quando Albert Camus escreveu sobre Sísifo, aplicando a antiga teoria do eterno retorno à imagem do mito grego, refletiu sobre a imagem do mortal que desafia os deuses e se vê condenado a passar a eternidade rolando uma pedra montanha acima só para vê-la escapar de suas mãos e ter de começar novamente. Em dado momento, o escritor faz provar que, apesar do absurdo da missão repetitiva, Sísifo é um símbolo de resiliência e, a seu modo, carregado de felicidade por conseguir enfrentar o peso da pedra contra a dureza da montanha, adotando a criatividade na repetição. Ao contrário do planejado pelos deuses com o castigo, ele é dono do próprio destino.

Está na mídia:

IMPULSO DA INOVAÇÃO


A tecnologia da Infinited Fiber Company transforma materiais à base de celulose, como têxteis ricos em algodão, cartão usado ou palha de arroz e trigo, em Infinna, uma fibra têxtil com o aspeto natural e macio do algodão, e com o mesmo toque. A empresa finlandesa lidera ainda o projeto New Cotton, que reúne mais 11 empresas, incluindo a portuguesa Inovafil, e pretende desenvolver um modelo completamente circular para a produção comercial de vestuário.

Está na mídia:

STARTUP PORTUGUESA CRIA TECNOLOGIA QUE PERMITE REDUZIR DESPERDÍCIOS NA INDÚSTRIA TÊXTIL


A Smartex.Ai, start-up portuguesa fundada por três alumni da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, desenvolveu uma tecnologia que permite, através do uso de Inteligência Artificial (IA), detetar imperfeições na produção de tecidos, evitando a produção com defeitos. Desta maneira, a tecnologia permite a redução de custos com materiais e de produção, além de apresentar ganhos ambientais significativos. Vencedora do Prémio Pitch da Web Summit deste ano, a empresa foi ontem distinguida pela ANI com o BfK Awards no âmbito dos Altice International Innovation Award, prémio deinovação da Altice Portugal.

Está na mídia:

COP26 E A MODA : UM RESUMO DA PARTICIPAÇÃO DA INDÚSTRIA NA CONFERÊNCIA


Governanças globais, ativistas, organizações e empresas privadas estão reunidas há 12 dias na cidade de Glasgow, na Escócia, para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. No encontro que se encerra hoje, 12.11, a indústria da moda marcou presença por meio de entidades e marcas que tem considerável contribuição no impacto à natureza. Durante o evento, uma atualização da Carta da Indústria da Moda para a Ação Climática foi assinada por 130 signatários, do mercado de luxo ao fast fashion, que se comprometem a cessar suas emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2050 e reduzi-las pela metade até o final desta década. Entre as brasileiras, aparecem na lista o Grupo Soma, Reserva e Grupo Renner.

Está na mídia:

GREENWASHING CHECK: ALLBIRDS É TÃO SUSTENTÁVEL QUANTO AFIRMA SER?


Fundada em São Francisco em 2015 pelo engenheiro de biotecnologia e especialista em energias renováveis Joey Zwillinger e o ex-jogador de futebol Tim Brown, a Allbirds construiu seu nome a partir de tênis feitos de lã, que diz ser a escolha mais sustentável. Em meia década, esta startup do Vale do Silício cresceu e se tornou um importante player na indústria de calçados. Ele foi usado por toneladas de celebridades e atraiu o investimento inicial de Leonardo DiCaprio, e se expandiu para oferecer roupas esportivas e roupas relaxantes em designs minimalistas e materiais conscientes. Em 2020, a Allbirds estava avaliada em US $ 1,7 bilhão e , em agosto deste ano, a marca entrou com o que está chamando de IPO de Sustentabilidade .

Está na mídia:

AFINAL QUÃO POLUENTE É A INDÚSTRIA DA MODA?


Lewis Perkins, presidente do Apparel Impact Institute (Aii), equipara o «objetivo intimidante» da indústria da moda de alcançar emissões zero a «construir um avião enquanto estamos a voar». No lançamento do “Roadmap to Net Zero”, um novo relatório que procura reunir a colaboração necessária para reduzir para metade as emissões de carbono do sector até 2030 e eliminá-las até 2050, como recomendado pela atualizada Carta da Indústria da Moda para a Ação Climática das Nações Unidas, Perkins assumiu, citado pelo Sourcing Journal, que «temos muito que fazer para começar».

Está na mídia:

AGROCOTTON


Estamos orgulhosos de ter apresentado em @ cop26uk AGROcotton: Potencial agroflorestal para o cultivo de algodão sustentável no Brasil. Gostaríamos de agradecer aos nossos parceiros de projeto @imperialcollege e @unb_official pelo importante trabalho em direção a uma indústria da moda mais verde e regenerativa. Agradecimentos especiais ao #UKPACT por acreditar no poder transformador dos sistemas #agroflorestais de algodão e no potencial do Brasil para liderar a mudança.

Está na mídia:

TECIDO USA TECNOLOGIA DA NASA E PRATA PARA MATAR VÍRUS, FUNGOS E BACTÉRIAS


Quando foi a última vez que você lavou sua roupa de cama? Os especialistas recomendam que se faça isso pelo menos uma vez por semana para evitar a proliferação de ácaros e bactérias. Mas como isso nem sempre é possível, cientistas desenvolveram um edredom autolimpante. Testes feitos em laboratório mostram que, quando a roupa de cama não é lavada com frequência, ela pode acumular colônias de bactérias até 17 mil vezes maiores do que as encontradas em um assento de banheiro, por exemplo. Com a aplicação da tecnologia de prata natural termorreguladora desenvolvida pela NASA, os pesquisadores conseguiram reduzir essa quantidade drasticamente.

Está na mídia:

ROUPAS DIGITAIS: CONHEÇA NOVA MODA ENTRE INFLUENCIADORAS E RECADO AMBIENTAL POR TRÁS DA TENDÊNCIA


Daniella Loftus é uma jovem britânica apaixonada por moda que se veste digitalmente há pouco mais de um ano. E tem tido tanto sucesso que decidiu largar o emprego para se concentrar neste mundo. Isabelle Boemeke é uma modelo brasileira que mora nos Estados Unidos. Vive de seu físico, mas, apesar disso, decidiu criar um avatar, Isodope, que usa nas redes para defender a energia nuclear e a roupa virtual como forma de combater a mudança climática.

Está na mídia:

NO CHILE, O DESERTO DO ATACAMA ABRIGA LIXÃO TÓXICO DA MODA DESCARTÁVEL DO 1° MUNDO


O deserto do Atacama no Chile abriga um gigantesco lixão clandestino de roupas que se compram, vestem e descartam nos Estados Unidos, na Europa e na Ásia. As colinas coloridas de roupas emergem da paisagem desoladora. São montanhas que crescem cerca de 59 mil toneladas por ano entrando na zona franca do porto de Iquique, a 1.800 quilômetros de Santiago.

Está na mídia:

POR QUE A COP26 DEVE SER O MOMENTO EM QUE A INDÚSTRIA DA MODA MUDARÁ PARA SEMPRE


É raro um executivo de alto escalão em um grande conglomerado de luxo fazer um apelo pessoal sobre a urgência da mudança climática e ainda delinear medidas específicas que a indústria precisa tomar para enfrentá-la. Com a COP26 em andamento e as apostas globais tão altas, damos as boas-vindas a Marie-Claire Daveu, diretora de sustentabilidade da Kering, a empresa-mãe das casas de luxo Gucci, Balenciaga e outras, e uma voz potente sobre sustentabilidade em toda a indústria da moda. Aqui, ela compartilha sua visão sobre o que a moda precisa para fazer em resposta à crise que todos enfrentamos.

Está na mídia:

O LADO FABULOSO DA MODA SUSTENTÁVEL


Tudo isso está bem e bom, é claro, mas onde isso realmente nos leva? McCartney adota uma abordagem otimista e holística em relação a tudo isso. "Adoro ouvir histórias de meus clientes, que, em muitas ocasiões, disseram que não perceberam que sua bolsa Stella McCartney não era feita de couro verdadeiro", diz ela em uma coletiva sobre sua coleção outono/inverno 2022. "Trabalhamos tanto nas últimas duas décadas para ser pioneiros de um movimento que está crescendo a passos largos, e realmente acredito que o melhor ainda está por vir". Dentro de poucos anos, talvez nem pestanejemos com a idéia de uma estrela em Cannes, com um vestido feito com o que costumava ser plástico oceânico, saltos altos feitos com um fungo e brincos de ouro reciclado.

Está na mídia:

PESQUISADORES DESENVOLVEM TINGIMENTO ECO-FRIENDLY MAIS EFICIENTE NO JEANSWEAR


“A indústria têxtil é um exemplo clássico de um poluidor ambiental e uma das maiores causas de poluição na indústria é o tingimento”, apontou Sergiy Minko, supervisor do estudo e professor de ciências das fibras e polímeros do College of Family and Consumer Sciences da Universidade da Geórgia. Originalmente, o índigo natural era usado para tingir têxteis. Foi introduzido nas colónias no século XVIII e era uma moeda de troca importante no início da história da América. Mas o desenvolvimento da produção de índigo sintético praticamente acabou com o mercado do índigo natural.

Está na mídia:

RÓTULO DA UE ACUSADO DE GREENWASHING


Embora a Pegada Ecológica do Produto (PEP), como foi batizada, tenha como objetivo incentivar os consumidores a fazer escolhas amigas do ambiente no ponto de venda, a metodologia sugerida é limitada e não tem em conta considerações ambientais críticas, considera a Make the Label Count, uma iniciativa que junta a Australian Wool Innovation, a Campaign for Wool, a Changing Markets Foundation, a Cotton Australia, a Fibershed, a International Sericultural Commission, a International Wool Textile Organisation e a Plastic Soup Foundation.

Está na mídia:

ABNT PROPÕE NOVA NORMA PARA O TAMANHOS DE ROUPA: O QUE MUDA NAS LOJAS?


Quem nunca saiu do provador de uma loja surpresa por não conseguir usar uma peça exatamente do número ao qual está acostumada por ela ficar grande ou pequena demais? É na tentativa de evitar essa disparidade entre as confecções que a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) trabalha pela aprovação da norma NBR 16933, que visa padronizar os tamanhos de roupas femininas no país. Para chegar a um consenso sobre as medidas, o Comitê Brasileiro de Têxteis e do Vestuário utilizou como base principal a pesquisa "Size BR", conduzida entre 2006 e 2015 pelo Senai Cetiqt, além de contar com a participação do Senac, de modelistas e de representantes de magazines.

Está na mídia:

SEGUNDA-MÃO PROCURA GANHAR DIMENSÃO


As empresas de moda em segunda-mão estão a lutar para conseguir adquirir rivais mais pequenas para ganhar dimensão, numa altura em que a procura por artigos previamente usados está a aumentar, impulsionada pela escassez de stocks nos retalhistas tradicionais provocada pelos constrangimentos no aprovisionamento.


Está na mídia:

PESQUISA CRIA FIBRA TÊXTIL A BASE DE ALGAS


Renana Krebs passou anos trabalhando em algumas das mais conhecidas marcas de moda. Ela viu em primeira mão como a indústria poderia ser prejudicial e jurou não ser cúmplice de tal destruição. Ela sabia que “deveria haver uma maneira melhor e mais sustentável de fazer moda”. Depois de pesquisar a sustentabilidade em outras indústrias, ela percebeu que as algas tinham vários usos em cosméticos e alimentos e se perguntou se também poderiam ser usadas para criar fibras e corantes têxteis. Foi assim que a Algaeing entrou na moda. Em primeiro lugar, ao combinar as propriedades das algas com a celulose, a Algaeing gera fibras em tons 100% biodegradáveis. Essas fibras podem então ser tricotadas ou tecidas em tecidos já coloridos. Como alternativa, os têxteis podem ser coloridos com corante à base de algas da Algaeing, que usa 80% menos água do que os processos de tingimento tradicionais.


Está na mídia:

PRIMEIRO JEANS DE CÂNHAMO DO BRASIL É LANÇADO PELA VICUNHA


Cada vez mais, o mundo e os consumidores demandam por serviços, produtos e iniciativas mais limpas e sustentáveis das grandes empresas. Na moda, isso não é diferente. Por isso, a Vicunha, multinacional de jeanswear, está ampliando seu inovador portfólio de produtos trazendo, entre seus lançamentos, tecidos em denim e sarja feitos a partir do cânhamo, uma das fibras mais versáteis e sustentáveis do mundo. A empresa é a primeira têxtil brasileira a investir na fabricação de tecidos jeanswear com este insumo no País. Os lançamentos estão sendo apresentados publicamente esta semana, durante o V.2, semana de lançamentos da companhia.

Está na mídia:

EMPA DESENVOLVE ALGODÃO ANTIFOGO SEM FORMALDEÍDO


O Laboratório Federal Suíço para a Ciência e Tecnologia de Materiais, conhecido como Empa, desenvolveu uma rede física e quimicamente independente de retardantes de chama dentro de fibras de algodão, contornando um problema frequentemente encontrado em têxteis algodoeiros retardantes de chama, que podem libertar formaldeído e serem desconfortáveis ao uso. O Empa refere que o processo mantém as propriedades positivas das fibras de algodão, que atualmente representam três-quartos da procura mundial de fibras naturais em vestuário e têxteis-lar, nomeadamente a sua capacidade de absorver grandes quantidades de água e de manter um microclima favorável junto da pele.

Está na mídia:

MERCADO DE SEGUNDA MÃO PELA FASHINNOVATION


Fashinnovation ultrapassa fronteiras e amplia tópicos, incluindo objetivos de desenvolvimento sustentável, impacto social, diversidade e inclusão, empreendedorismo, conectividade e novas tecnologias, todos vistos através das lentes da inovação.” A jornalista e head de conteúdo da plataforma Fashinnovation, Júlia Vilaça, apresenta o artigo “Mercado de segunda mão: futuro da indústria da moda ou tendência passageira?”

Está na mídia:

MARCA DE MODA DO MAGALU QUER ABOCANHAR MERCADO DE BÁSICOS


Após reformular seu canal de vendas de vestuário, o Magazine Luiza lança nesta sexta-feira (22) a Vista Magalu, marca própria de moda da companhia que já detém Netshoes, Zattini e Época Cosméticos. Não se trata, porém, de uma etiqueta com viés definido de estilo, como acontece nas grifes premium dos grupos brasileiros, nem se encaixa no padrão “fast fashion” de atender as demandas do cliente para todas as ocasiões, do trabalho à festa. O propósito da marca que tem a ex-Zara à frente da direção de estilo, Aneliza Paiva, abocanha o abismo do meio, que geralmente é uma parte pequena das coleções das marcas, de básicos atualizados.


Está na mídia:

PRODUTORES DE ALGODÃO SERÃO PIONEIROS NO PROGRAMA FLORESTA +AGRO


O Floresta+Agro busca promover e reconhecer os serviços ambientais realizados pelos produtores rurais nas áreas de Reserva Legal e Áreas de Preservação Permanente. Neste sentido, incentiva a implementação de arranjos de pagamentos entre os participantes das cadeias produtivas da agropecuária, por atividades que resultem em conservação da vegetação nativa em todos os biomas, aumento e manutenção dos estoques de carbono, conservação da biodiversidade, proteção e fertilidade do solo, entre outros benefícios ecossistêmicos.

Está na mídia:

UMA NOVA ALTERNATIVA AO NÁILON E POLIÉSTER PROMETE REVOLUCIONAR A MODA!


A tecnologia tem sido uma forte aliada na corrida da moda contra seus impactos, especialmente com o desenvolvimento de novas matérias-primas, como os couros à base de cogumelo, cacto ou abacaxi. E agora a boa notícia é que a HeiQ acaba de divulgar um novo produto que promete revolucionar a indústria! Batizado de AeoniQ, o fio de celulose desenvolvido pela empresa suíça pode ser produzido a partir de algas e bactérias. Esta nova fibra promete ser uma excelente alternativa ao náilon e poliéster, pois é derivada de biopolímeros celulósicos de terceira geração, que nada mais são que compostos químicos produzidos a partir da ação de seres vivos.

Está na mídia:

TONELLO USA FLORES E FRUTOS PARA TINGIR COLEÇÃO-CÁPSULA


A empresa italiana produtora de tecnologia para tingimento e acabamentos utilizou o sistema Wake, que usa ingredientes amigos do ambiente em vez dos químicos convencionais, para, em parceria com a WRÅD, criar uma coleção-cápsula tingida com corantes provenientes de resíduos de plantas, frutos e vegetais. Em conjunto, a Tonello e a WRÅD desenvolveram um sistema para transformar flores, bagas, cascas e raízes numa vasta gama de cores que, intencionalmente, se atenuam para gerar o efeito autêntico do aspecto usado.

Está na mídia:

FIBRAS QUE PROMOVEM CONFORTO E SUSTENTABILIDADE


A fibra celulósica Naia Renew é fabricada com 60% de polpa de madeira aprovisionada de forma sustentável e 40% de resíduos reciclados, permitindo «criar produtos sustentáveis sem comprometer a qualidade e o estilo», salienta a Eastman na publirreportagem Fibras Dinâmicas, publicada na edição de outubro do Jornal Têxtil. Além disso, «está também certificada como biodegradável e compostável, criando a possibilidade dos tecidos regressarem, com segurança, à natureza no fim da sua vida útil», destaca a empresa, que tem como expectativa que a Naia Renew represente mais de 50% do seu portefólio têxtil até 2025 e mais de 90% até 2030.

Está na mídia:

BRASIL ECO FASHION WEEK EM MILÃO


A 5a edição da Brasil Eco Fashion Week, semana de moda da América Latina dedicada exclusivamente à indústria da moda sustentável, rompe fronteiras e chega à Itália. O evento acontecerá durante a Milan Fashion Week, dias 24 e 25 de setembro. Além de dar visibilidade para as marcas de moda socialmente responsáveis do Brasil, o objetivo “é fazer um debate aprofundado, distribuir informação e propor novos modelos de negócio com adoção de práticas éticas e responsáveis na indústria têxtil”,disse Rafael Moraes.

Está na mídia:

INVESTIGADORES CRIAM ECRÃ QUE FUNCIONA SOB A ROUPA


A PocketView, como foi batizado, permite ver informação básica do telemóvel, como uma notificação ou mensagem, por exemplo, sem ter de o retirar do bolso, da mochila ou da bolsa. A tecnologia usa conjuntos de LED de baixa resolução em dispositivos que cabem num bolso que podem mostrar informação básica, podendo funcionar tanto como dispositivos independentes ou estarem ligados, por Bluetooth, a um smartphone.

Está na mídia:

ROUPAS DIGITAIS : QUAL É O FUTURO DA MODA ?


Pode-se dizer que o guarda-roupa virtual é um produto do mundo da moda durante a pandemia de covid-19. Com o isolamento social estabelecido na maioria dos países desde o início de 2020, muitas marcas de roupa decidiram dar uma pausa nos desfiles presenciais e passaram a apresentar seus produtos em exposições virtuais ou curtas-metragens. Foi nessa época que o e-commerce disparou por completo e as compras em websites se tornaram um recurso importante para os consumidores. Mas para quem não ia sair de casa, qual era a razão de gastar mais dinheiro com roupa se ninguém ia ver? Nessa pegada, as mídias sociais se tornaram um enorme painel de informação.

Está na mídia:

EMPRESA DESENVOLVE LÃ FEITA A PARTIR DE PLÁSTICO RECICLADO


A linha Dolly Recycled da dinamarquesa TEXSTYLE promete mesma aparência e maciez da lã convencional. A empresa têxtil TEXSTYLE, da Dinamarca, desenvolveu um tipo de tecido sustentável, usando fios de poliéster reciclados, provenientes de garrafas plásticas descartáveis. A coleção inclui 15 materiais diferentes, que podem ser encomendados em uma variedade de cores.

Está na mídia:

O QUE A INDÚSTRIA DA MODA AINDA NÃO ENTENDEU SOBRE: MODA PLUS SIZE


Segundo a Associação Brasileira do Vestuário (Abravest), o mercado de moda plus size registrou um movimento de 7 bilhões de reais no Brasil entre 2018 e 2019. A média de crescimento anual é de 10%. Nos EUA, um levantamento realizado pela renomada empresa de pesquisa Coresight, mostrou que o faturamento deste setor girou em torno dos US$ 24 bilhões, só em 2020.

Está na mídia:

O COURO SUSTENTÁVEL REALMENTE EXISTE?


Para garantir transparência e rastreabilidade em toda a sua cadeia de abastecimento, a Mulberry está trabalhando apenas com fornecedores confiáveis ​​na Europa, incluindo membros do Scottish Leather Group - um dos maiores fabricantes de couro no Reino Unido, e cujas fazendas de gado bovino alimentado com pasto operam com emissões zero de CO2. “Temos um grupo de parceiros realmente solidários com quem conversamos sobre nossa ambição de nos transformar em um modelo totalmente regenerativo”, disse Charlotte O'Sullivan, diretora digital e de marketing global da Mulberry.

Está na mídia:

MARKETPLACE DA C&A ABRE ESPAÇO PARA MODA PRETA


Quando o casal de empresários Glauber Marques e Izabela Matias buscou na loja de roupa infantil um pijama de herói que se parecesse com o filho Murilo, não tinha. Todas as representações eram de pessoas brancas. Foi assim que surgiu a ideia de criar a marca para crianças KIOO, cujo nome tem origem na língua banto Suaíli e significa espelho. A partir de 20 de outubro, ela e mais cinco marcas de afroempreendedores brasileiros terão peças comercializadas no marketplace da varejista C&A. “Vai ser um divisor na história da nossa marca”, diz Marques.

Está na mídia:

ROUPA DE PLÁSTICO RECICLADO REFRESCA MAIS QUE ROUPA DE ALGODÃO


Roupas sintéticas são tipicamente associadas a uma maior dificuldade de o corpo respirar, o que significa que elas são mais quentes. Mas não serão mais no futuro, caso se concretize um projeto de pesquisadores do MIT, nos EUA. Além de usar sacolas plásticas usadas como matéria-prima, Matteo Alberghini e seus colegas desenvolveram uma técnica que promete roupas plásticas mais refrescantes do que outros tecidos porque o tecido de plástico força o calor a escapar através de suas fibras, ao invés de mantê-lo aprisionado, como acontece com as roupas sintéticas tradicionais. O polietileno das sacolas descartadas foi transformado em fibras e fios projetados para dissipar a umidade. Esses fios foram usados para tecer tecidos que se mostraram leves e sedosos, com uma elevada capacidade para absorver e evaporar a água - mais rapidamente do que os tecidos comuns, como algodão, náilon e poliéster.


Está na mídia:

POR QUE ESTILISTAS E MARCAS DELETAM CONTEÚDO NO INSTAGRAM?


Quando a Bottega Veneta deletou a sua conta no Instagram no começo de 2021, deixou muita gente se perguntando sobre os motivos que levaram uma marca do seu tamanho para esse caminho. Em um momento em que cada vez mais estamos conectados e, de certa forma, dependentes das redes sociais, algo bastante acentuado com a pandemia e suas restrições sociais, o caminho inverso parece uma aposta bastante arriscada. Agora parece que o movimento iniciado pela grife italiana despertou um jeito diferente de trabalhar com o Instagram. Para não seguir exatamente os mesmos moldes da Bottega Veneta, observa-se que grifes como Balenciaga, e seu diretor criativo Demna Gvasalia, além de Nicolas Ghesquière, nome à frente da Louis Vuitton, estão apagando todo o seu conteúdo às vésperas das novas apresentações.

Está na mídia:

MAGAZINE LUIZA TERÁ MARCA PRÓPRIA DE MODA


O Magazine Luiza decidiu entrar de forma mais estruturada no mundo da moda, setor altamente pulverizado e com grandes redes tradicionais no setor. Há um plano de ação para o “marketplace” (shopping virtual) do grupo em andamento, que envolve a criação de uma marca própria de vestuário e também a primeira estratégia de marketing na área. A empresa fechou a contratação de três “embaixadoras” que promoverão ações de marketing – as cantoras Gaby Amarantos e Liniker e a modelo Carol Trentini – e, oficialmente, fará hoje o relançamento da categoria de vestuário em sua plataforma, com apoio de fornecedores da indústria. O Valor apurou que a marca a ser lançada deve ter o “Magalu” no nome.


Está na mídia:

ROUPAS PODEM FICAR MAIS CARAS COM MÁXIMA HISTÓRICA NO PREÇO DO ALGODÃO


Os preços do algodão saltaram para novas máximas em 10 anos nesta terça-feira (5), juntando-se a uma longa lista de commodities em alta. Os contratos futuros do algodão subiram 4%, para quase US$ 1,09 nos Estados Unidos, o maior nível desde setembro de 2011. A commodity subiu 22% apenas nas últimas duas semanas. A alta do algodão pode ser repassada aos consumidores na forma de preços mais altos em jeans, camisetas e outras roupas.


Está na mídia:

RESERVA INSERE QR CODE NAS PEÇAS PARA DESTRINCHAR CADEIA DE PRODUÇÃO DO ALGODÃO UTILIZADO


A Reserva inaugura nesta quinta-feira (7/10) um novo capítulo na transparência da indústria nacional da moda. A partir de agora, todas as peças vendidas pela marca virão com um QR Code que mostrará a origem do algodão e de toda a matéria-prima utilizada para a confecção dos itens. A grife do Grupo AR&Co é a primeira a integrar o programa Sou de Algodão Brasileiro Responsável (SouABR), da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), que rastreia a origem do algodão responsável.

Está na mídia:

TÊXTEIS TÉCNICOS: COMO O GRAFENO PODE INTERFERIR POSITIVAMENTE PARA O DESEMPENHO DOS TECIDOS


No desempenho dos Têxteis Técnicos o grafeno interfere modificando as propriedades dos têxteis tradicionais, devido a suas características únicas. As de maior interesse são a proteção UV, a flexibilidade, a supercapacitância, a atividade fotocatalítica, a hidrofobicidade, o efeito antiviral e antibacteriano e, em especial, a alta condutividade elétrica. “Algumas das propriedades elétricas do grafeno, como a mobilidade de carga extremamente alta, a massa efetiva zero e o transporte balístico, mesmo à temperatura ambiente, fazem dele o material ideal para aumentar a condutividade elétrica das fibras do tecido ”, revela Ricardo Cecci, Consultor Pesquisador do SENAI CETIQT.

Está na mídia:

ESTUDO MOSTRA QUAIS AS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DO JEANS NO BRASIL


O IEMI (Inteligência de Mercado) realizou uma pesquisa em parceria com a marca têxtil Vicunha, que faz parte do Texbrasil (Programa de Internacionalização da Indústria Têxtil e de Moda Brasileira) — resultado de uma parceria entre a Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) e a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) – para descobrir quais são os hábitos de consumo e tendências do jeans no Brasil.

Está na mídia:

PARA COMBATER O IMPACTO AMBIENTAL, SENAI CETIQT TRAZ SOLUÇÕES PARA O USO DE RESÍDUOS


Durante o evento, Michelle Reich, professora do SENAI CETIQT, falou sobre desenvolvimento sustentável, iniciativas alimentares e a importância do ciclo de vida do produto. “Na economia circular, reinserimos materiais e produtos na cadeia, pensando no uso em cascata, por exemplo, uma doação de roupas ou um brechó. Dessa forma, o produto tem longevidade e sustentabilidade, diminuindo a pressão na extração e no descarte. Na indústria têxtil, já é usada a fibra da soja, proveniente da pasta residual da soja”, comentou. Esse reaproveitamento de alimentos evita o desperdício e ainda traz nutrientes para uma alimentação saudável, como reforçou Helena Mendonça, Chef de Partie no ClubMed Rio das Pedras. “Eu tive a oportunidade de criar alguns pratos com essa pegada em uma gastronomia de luxo. Por exemplo, o osso ou espinha do peixe, que iriam para o lixo, nós reaproveitamos para produzir outra fonte de alimento, como molhos ou caldos”, explicou.

Está na mídia:

ALGODÃO ANTICHAMA VESTE BOMBEIROS DE FORMA SEGURA E CONFORTÁVEL


Você não precisa ser um bombeiro para se dar conta de que usar aquelas roupas antichama grossas e pesadas não deve ser nada confortável - sem contar que elas tiram a mobilidade e a agilidade desses profissionais em situações sempre críticas. Foi que isto que motivou o pesquisador Sabyasachi Gaan, dos Laboratórios Federais Suíços de Ciência e Tecnologia de Materiais (EMPA), a criar roupas antichama mais confortáveis.

Está na mídia:

FIBRAS DIGITAIS CRIAM ROUPAS PROGRAMÁVEIS E INTELIGENTES


Pesquisadores criaram a primeira fibra com capacidade de operação digital, capaz de sentir, armazenar, analisar e inferir sua própria atividade, mesmo depois de ela ser costurada em uma roupa. As fibras digitais expandem em muito as possibilidades dos sensores, viabilizando a fabricação de tecidos capazes de analisar o corpo humano em tempo real, para monitoramento da saúde, do desempenho físico, para a detecção precoce de doenças e até para tratamentos médicos.

Está na mídia:

WRANGLER INTRODUZ FIBRAS REGENERADAS E RECICLÁVEIS PARA OUTONO 2021


Denominada "Infinited Blue" (Azul Infinito), a coleção inclui peças de assinatura da história de mais de 70 anos da Wrangler, tais como o casaco Western masculino e os jeans Western masculinos. Como parte da parceria, a Infinna, uma nova fibra regenerada e reciclável, foi criada e incluída na sua gama global de ganga para a coleção de outono de 2021, juntamente com inovações líderes da indústria, incluindo as inovações Indigood da Wrangler e e-flow concebidas para reduzir significativamente a utilização de água, energia e produtos químicos.

Está na mídia:

PRIMAVERA PINTA-SE DE CONFORTO E OTIMISMO


De acordo com os especialistas do instituto, que se focaram nas cores que seriam apresentadas na Semana de Moda de Nova Iorque, que decorreu de 7 a 12 de setembro, as cores que traduzem a nossa necessidade de conforto, clareza e segurança satisfazem o apelo de nos mantermos com aquilo que nos é familiar. Ao mesmo tempo, contudo, assiste-se a um certo sentimento de libertação e de otimismo, que, por sua vez, é transmitido por cores que se destacam e que dão voz ao desejo de espontaneidade e alegria.

Está na mídia:

CAMPANHA PEDE LEIS MAIS RÍGIDAS PARA INDÚSTRIA TÊXTIL NA EUROPA


Criada por 25 ONGs europeias, a campanha Wardrobe Change tem o objetivo de exigir que novas políticas públicas e leis sejam criadas para diminuir e controlar a super produção de têxteis. Essas ONGs não acreditam em acordos voluntários para tornar a indústria da moda mais sustentável e por isso pedem que a nova legislação têxtil da União Europeia, que deve ser discutida ainda esse ano, responsabilize as marcas por sua contribuição para a poluição global.

Está na mídia:

VESTUÁRIO COM EFEITO CRÍTICO NOS RECURSOS HÍDRICOS


A CDP apresentou o Water Watch: Water Impact Index, um relatório que desvenda os sectores mais poluentes e que recorrem ao uso intensivo de água e combustíveis fósseis. O vestuário é considerado um dos que tem maior impacto nos recursos hídricos a nível mundial com base numa avaliação de mais de 200 atividades industriais.

Está na mídia:

ESCRAVATURA MODERNA ALÉM DA MODA


A indústria de vestuário não é, de longe, a única a lidar com a escravatura moderna e o trabalho forçado. É uma questão urgente para cadeias de aprovisionamento em vários sectores e precisa de ser tratada a um nível intersectorial e global», afirma Laura Husband, correspondente da indústria de vestuário da GlobalData.

Está na mídia:

BRASIL ECO FASHION WEEK


No próximo dia 24 de setembro daremos início à programação do 5º Brasil Eco Fashion Week, que este ano traz o tema “Ecossistemas Globais”. Até o dia 30 de setembro, vamos exibir uma série de mais de 20 Painéis de Conversas, realizaremos dez Workshops de atividades práticas, teremos um line-up de 18 marcas de diferentes partes do Brasil apresentando suas coleções em formato Fashion Films e colocaremos no ar o Showroom BEFW, onde 60 negócios terão a oportunidade de expôr seus produtos de vestuário, calçados e acessórios, de forma transparente e rastreável.

Está na mídia:

PROJETO INVESTIGA FIBRAS BIOSSINTÉTICAS


A iniciativa vai investigar, testar e validar alternativas de polihidroxialcanoatos ou fibras de polímeros PHA. Estas fibras são descritas pela iniciativa de moda sustentável como tendo o potencial para reduzir as emissões de carbono na cadeia de aprovisionamento da moda.

Está na mídia:

WALMART APRESENTA SOUTIEN FEITO DE CANA-DE-AÇÚCAR


A retalhista americana lançou o que afirma ser o primeiro soutien obtido a partir de cana-de-açúcar brasileira, como parte de uma parceria com a produtora de vestuário íntimo Gelmart International. A nova linha, batizada Kindly, surge como uma tentativa mais ampla de tornar a sustentabilidade acessível a todos.

Está na mídia:

O MERCADO DE SEGUNDA MÃO PODE SALVAR A MODA?


As falas e promessas sobre o potencial do mercado de segunda mão ser um futuro para o consumo de moda sustentável tem se tornado mais e mais frequentes. No entanto, o que antes parecia apenas uma tendência ou possibilidade tem se tornado uma realidade cada vez mais próxima e tangível, com um grande aumento do market share do mercado de segunda mão e projeções ainda mais promissoras e o surgimento de mais startups com foco nesse segmento do varejo de moda.

Está na mídia:

A ROUPA TÁ ON: A MODA DA NOVA GERAÇÃO NO MUNDO DIGITAL


Por muito tempo a moda se viu estagnada na busca de experimentações. Enquanto as possibilidades de silhuetas já pareciam esgotadas e as referências de décadas eram revistas a cada movimento de tendências, a criação tecnológica se esforçava para desenvolver opções têxteis e a discussão se encaminhou para o mundo da sustentabilidade dentro de uma indústria hiperprodutiva.

Está na mídia:

ARTE TÊXTIL CONTRA O CÂNCER


O projeto nasceu em 2018, entre os corredores do Instituto Português de Oncologia (IPO) e a Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, quando Inês Carrelhas, também ela vitima do cancro da mama, fazia os tratamentos contra a doença. Com esta exposição, a artista pretende sensibilizar o público para temáticas relacionadas com o cancro de mama.

Está na mídia:

ALGODÃO EM AGROFLORESTA QUER TRANSFORMAR A INDÚSTRIA TÊXTIL


Sistema agroflorestal combina algodão, frutas e espécies madeireiras. Uma parceria entre o hub de inteligência florestal Pretaterra e a com a Farfarm, empresa brasileira especializada em projetos de supply chain regenerativos, foca no cultivo de algodão em sistemas agroflorestais.

Está na mídia:

DO TECIDO A UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÃO DO MEIO AMBIENTE


Desde 2013, a Retalhar diminui o impacto negativo criado pelo descarte de tecido na natureza. Hoje, a empresa quer ir além: pretende aumentar o impacto positivo. A diferença parece pequena, apenas um jogo de palavras, mas não é. Jonas Lessa, CEO da Retalhar, é filho de jornalista e psicóloga, então aprendeu a sempre escolher muito bem as palavras. Fala com tranquilidade e explica o que pretende: “Antes a Retalhar ‘só’ aproveitava restos de tecidos para criar produtos limitados. Agora, a empresa tem uma nova missão: contribuir com a economia circular, repensando a forma de criar produtos desde o início, para que eles sejam bem recuperados e voltem a ser matéria-prima durável”.

Está na mídia:

HAMILTON COMPRA MESA NO MET GALA 2021 E CONVIDA JOVENS DESIGNERS NEGROS


Não é de hoje que Lewis Hamilton é atento às questões raciais. No MET Gala 2021 não foi diferente. O piloto sete vezes campeão mundial da Fórmula 1 comprou uma mesa no evento da moda mais badalado do mundo e convidou jovens designers negros. A festa acontece no Metropolitan Museum of Art, em Nova York, nos Estados Unidos.

Está na mídia:

CARBONO NEUTRO: O QUE SIGNIFICA NA PRÁTICA O MOVIMENTO AO QUAL A INDÚSTRIA DE MODA BRASILEIRA VEM ADERINDO


A Pantys foi a primeira marca de moda brasileira a adotar a etiqueta carbono neutro, no ano passado, enquanto a Amaro anunciou recentemente que passa a ser uma empresa carbono negativo. Mas o que isso significa na prática? Fernanda Simon, editora contribuinte de sustentabilidade da Vogue, esclarece.

Está na mídia:

POR QUE UMA REVOLUÇÃO NA MODA É TÃO URGENTE


Estamos vivendo uma emergência climática. Isso significa que se durante a próxima década não houver uma mudança radical em como habitamos este planeta, podemos enfrentar catástrofes seríssimas e até deixarmos de existir. Segundo especialistas em biodiversidade da Plataforma Intergovernamental de Política Científica sobre Serviços de Biodiversidade e Ecossistemas da ONU (IPBES), 75% do meio ambiente terrestre já foi degradado e 66% do marinho também. Perante essa triste realidade, a moda se apresenta como um importante agente de transformação, tanto no âmbito lúdico, como representação cultural e expressão, mas também como produto, consequência de uma longa e complexa cadeia de valor.

Está na mídia:

SE O MUNDO É CADA VEZ MAIS SINTÉTICO, POR QUE NÃO SER CADA VEZ MAIS ALGODÃO?


Movimento Sou de Algodão é iniciativa da Abrapa e parceiros para conscientizar consumidores das vantagens da fibra natural em relação à sintética. A competitividade do agronegócio brasileiro é indiscutível. A cada ano, conquistamos mais espaço na mesa e nas prateleiras de consumidores do mundo todo, concorrendo de igual para igual com grandes potências agrícolas, como Estados Unidos e China.

Está na mídia:

NIKE LANÇA NOVA LINHA SUSTENTÁVEL NO DIA DA TERRA


Em mais uma iniciativa do Move to Zero, posicionamento da Nike de redução de resíduo e de emissões de carbono, a marca lança a linha de sneakers Nike Crater Impact e a coleção Revival, feitas a partir de material reciclado.

Está na mídia:

ÓRGÃO QUE PROTEGE O CONSUMIDOR CHAMA H&M NA CHINCHA POR ENGANAR OS CLIENTES COM "COLEÇÃO CONSCIENTE"


Para a gigante do fast fashion H&M, uma linha chamada Conscious Collection parece ser a salvação da pátria. Por preços muito baixos, você pode comprar uma blusa de jersey, um vestido ou uma versão do mom jeans. Mas o que faz dessas roupas produtos conscientes? Se você buscar informação na etiqueta para entender essa equação, não vai encontrar muita coisa, já que a descrição do produto não mostra por que aquela peça é melhor do que qualquer outra que tiver à venda na loja. Não fica para o consumidor se a H&M está de fato se engajando na produção e no fornecimento sustentáveis, ou simplesmente se mostrando mais sustentável do que realmente é para vender mais.

Está na mídia:

MARCAS RENOVAM “ACORDO DE BANGLADESH” PARA PROTEÇÃO DE DIREITOS TRABALHISTAS


Em 2013, após o desastre do Rana Plaza, que resultou na morte de 1100 trabalhadores de pessoas devido às péssimas condições de trabalho nas fábricas de Bangladesh, mais de 200 marcas de moda mundiais se uniram para a criação de um acordo que protegia os direitos trabalhistas no país. Após um ano que voltou a agravar as situações precárias de trabalho no país, devido à pandemia, um novo acordo foi criado e renovado com duração de 26 meses.

Está na mídia:

MODA NATURAL: CONHEÇA QUAIS SÃO OS TECIDOS FEITOS DE ALGODÃO E SUAS CARACTERÍSTICAS


A Ecomaterioteca explica as características dos principais tecidos feitos de algodão, suas peculiaridades e quais os usos recomendados para cada um. O algodão tem uma história muito particular e importante no campo têxtil, já que foi uma das primeiras fibras vegetais cultivadas. Ele acompanha o homem desde a pré-história e se mantém presente entre os povos mais distantes. Os tecidos feitos de algodão misturam-se a tradições diversas, incensos, flores, oferendas, tilintar de sinos budistas, ao verde das paisagens ocidentais, aos coloridos das frutas e aos ritmos diversos.

Está na mídia:

ALGODÃO COLORIDO: DO NORDESTE AOS DESFILES INTERNACIONAIS DE LUXO


Já ouviu falar sobre algodão colorido? Não é um tecido feito de algodão e depois tingido de forma industrial. O algodão colorido é cultivado, em sua maioria, no sertão da Paraíba por uma agricultura familiar e ele não necessita colori já que nasce naturalmente em tons de bege, marrom e verde. Além disso, são orgânicos, sem irrigação e sem tingimentos, gera economia de 87,5% de água na cadeia produtiva têxtil de acordo com a Textile Exchange.

Está na mídia:

COMO A PANDEMIA E A VACINAÇÃO ESTÃO AFETANDO O VAREJO DE MODA


Em novembro de 2019, o descobrimento de um novo vírus chamou a atenção das autoridades. Em março do ano seguinte, a pandemia foi declarada pela Organização Mundial da Saúde. No ocidente, a Covid-19 estourou durante as semanas de moda de Milão e Paris. Alguns desfiles foram cancelados e jornalistas e compradores retornaram a suas casas antes do previsto.

Está na mídia:

NÚCLEO DE SUSTENTABILIDADE E ECONOMIA CIRCULAR DO SENAI


Fruto de uma parceria entre SENAI CETIQT e ABIT, o NuSEC foi criado com o intuito de desenvolver soluções que promovam a sustentabilidade e a economia circular como estratégia central para os negócios, através de geração de conhecimento e avaliação de dados sobre a indústria têxtil e de confecção brasileira.

Está na mídia:

CONCLUSÕES DA MODA DO RELATÓRIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA DA ONU


O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas aumentou a aposta nesta semana para que o mundo controle as emissões e evite que os eventos climáticos extremos de hoje, agora definitivamente ligados à atividade humana, se agravem. Para a indústria da moda, a conclusão é uma mensagem inequívoca de que seus esforços para o clima estão muito aquém do desafio em mãos e que as empresas devem se mover mais rapidamente.

Está na mídia:

SHEIN: O QUE OS PREÇOS BAIXÍSSIMOS ESCONDEM?


Com vestidos custando módicos nove dólares e pares de tênis custando 12, a Shein tem levantado questionamentos sobre as condições de sua força de trabalho e produção desde que despontou no mercado há pouco mais de cinco anos. Foi durante a pandemia que a empresa chinesa chegou oficialmente ao Brasil e começou a chamar atenção, decolando meteoricamente ao longo dos últimos 12 meses, muito alavancada pelo alto investimento em mídia e publis, pelos hauls e vídeos de Youtubers de comprinhas da Shein.

Está na mídia:

A RELAÇÃO POLÊMICA DA MODA DE LUXO COM A MODA DA QUEBRADA


O óculos, ou lupa, no modelo “Juliet”, é uma das grandes tendências surgidas na quebrada, bem como as camisas de time como parte do vestuário casual e uma série de outras tendências. Mas isso não é um movimento necessariamente novo, no início dos anos 2000, o modelo Nike Shox, também chamado de “8 ou 12 molas”, só se tornou o fenômeno que foi no Brasil por ter virado uma peça desejo nas periferias, em um momento em que o preconceito com a periferia e seus ritmos era ainda muito maior do que hoje.

Está na mídia:

TÊXTIL REVOLUCIONÁRIO QUE CONTROLA O CALOR PRETENDE REDUZIR USO EXAGERADO DE AR-CONDICIONADO CONFORME AS TEMPERATURAS GLOBAIS AUMENTAM


No ano passado, um estudante de graduação da Universidade de Zhejiang, na China, vestiu um colete branco aparentemente simples e sentou-se sob a luz direta do sol por uma hora. A poucos metros de distância, pesquisadores monitoravam sua temperatura corporal com câmeras infravermelhas e sensores em sua pele. Metade do colete era feita de algodão comum.

Está na mídia:

RIACHUELO CRIA INSTITUTO PARA DESENVOLVER A CADEIA PRODUTIVA DO NORDESTE


Com mais de 70 anos de história, a companhia abre um espaço exclusivo para iniciativas de desenvolvimento social e econômico na região do Rio Grande do Norte, berço da produção da marca.

Está na mídia:

ALGODÃO COLORIDO NORTEIA A MODA SUSTENTÁVEL NO BRASIL COM DESFILE EM MILÃO


De olho em expandir a cadeia produtiva que vai do plantio ao desenvolvimento de novos fios, tecidos e peças de vestuário, algodão da agricultura familiar estreia na passarela internacional durante a Milan Fashion Week que acontece de 21 a 27 de setembro.

Está na mídia:

PRETOS NA MODA: COLETIVOS TRAZEM REPRESENTATIVIDADE PARA A MODA BRASILEIRA


Depois de 50 temporadas, a São Paulo Fashion Week foi repaginada — e não estamos aqui falando só de tendências de moda. Além do formato digital, quebrando a tradição das apresentações na Bienal do Ibirapuera, em São Paulo, o evento ganhou representatividade.

Está na mídia:

ASSEMBLEIA APROVA PROJETO DE LEI DO DEPUTADO SALMITO QUE PROPÕE A CRIAÇÃO DO DIA DO DESIGNER DE MODA NO CEARÁ.


Durante a sessão plenária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira (25/08), foi aprovado projeto de lei do deputado Salmito (PDT) que propõe a criação do Dia do Designer de Moda a ser comemorado dia 05 de setembro.

Está na mídia:

COMO A CAPA DO BATMAN: CALTECH CRIA COTA DE MALHA FLUIDA QUE FICA RÍGIDA SOB COMANDO


Uma equipe de pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) desenvolveu uma cota de malha que pode ficar rígida sob comando. Segundo o site The Byte, o “material de ficção científica” pode dar aos exoesqueletos uma flexibilidade sem precedentes, enquanto pode oferecer proteção ao usuário quando enrijecido.

Está na mídia:

OPORTUNIDADES NAS ALTERNATIVAS À SEDA


Investigadores e investidores estão a ser impelidos a focarem-se no desenvolvimento de alternativas à seda, depois de um estudo da Material Innovation Initiative descrever a seda como uma das matérias-primas com maior pegada ambiental, superior à do algodão, da poliamida e da lã.

Está na mídia:

COM APOIO DE RENNER E C&A, PROJETO APOIA OFICINAS DE COSTURA DE MIGRANTES


Por meio de seus institutos sociais, a Lojas Renner e a C&A se uniram para apoiar a nova etapa do programa Tecendo Sonhos, iniciativa de empreendedorismo da organização Aliança Empreendedora. O projeto tem como objetivo desenvolver e capacitar 18 oficinas de costura, localizadas em São Paulo e que pertencem a microempreendedores migrantes participantes da iniciativa.

Está na mídia:

O QUE O SEU JEANS DEIXA PARA TRÁS?


Grande parte dos jeans no modelo skinny contém uma mistura de algodão, poliéster e elastano, que virou “febre” entre as fabricantes pela capacidade de gerar o efeito de uma calça colada no corpo. Porém, a introdução de fibras sintéticas no denim não leva em consideração o impacto que elas podem gerar no meio ambiente quando peças são descartadas.

Está na mídia:

POR QUE A RELAÇÃO DE GRANDES MARCAS COM A PERIFERIA AINDA É DIFÍCIL?


Conversamos com pesquisadores e profissionais de moda e comunicação para entender a ligação de grifes com movimentos periféricos.

Está na mídia:

É FAST FASHION E NÃO É CRINGE: O AVANÇO GLOBAL DA CHINESA SHEIN


A Amazon, Zara, Boohoo e até a Renner que se cuidem. A Shein, discreta varejista chinesa de moda, pode estar passando sob o radar das concorrentes e do mercado, por enquanto, mas a geração Z está prestando muita atenção.

Está na mídia:

ARTISTAS INVESTEM EM MODA SUSTENTÁVEL E CONSCIENTE


A consciência em relação ao consumo tem guiado alguns artistas que investem de forma paralela no mundo da moda. Segundo a pesquisa mais recente sobre o tema, da Agência de Notícias CNI, apesar de apenas 38% dos consumidores estarem preocupados com os impactos da produção sobre o meio ambiente, um em cada três brasileiros está disposto a pagar mais caro por um produto fabricado de maneira ambientalmente correta.

Está na mídia:

A GRENDENE ESTÁ VERDADEIRAMENTE COMPROMETIDA COM O FUTURO


Todos os nossos produtos são feitos com materiais 100% recicláveis, atóxicos e livres de substâncias perigosas ou que possam causar alergia. Além disso, nossos calçados de PVC contêm até 30% de material reciclado (pré-consumo) e matéria-prima de origem renovável na sua composição.

Está na mídia:

C&A BRASIL IMPLANTA BLOCKCHAIN PARA SE APROXIMAR DOS FORNECEDORES


A rede de varejo C&A está aprimorando sua estratégia digital com o uso da tecnologia blockchain para fortalecer o relacionamento com os fornecedores de todo o país. Desenvolvida em parceria com a startup Blockforce, especializada na pesquisa e desenvolvimento da tecnologia, a iniciativa permite a integração – em tempo real – entre os sistemas da varejista e os de seus fornecedores, melhorando o monitoramento da produção de cada peça de forma clara, ágil e prática.

Está na mídia:

THE LYCRA COMPANY LANÇA SEUS PRIMEIROS FIOS FEITOS COM 100% DE RESÍDUOS TÊXTEIS


Em um novo passo no caminho da sustentabilidade, a The LYCRA Company acaba de lançar os seus primeiros fios feitos 100% de resíduos têxteis. Tratam-se dos fios sustentáveis COOLMAX® EcoMade e THERMOLITE® EcoMade, que resultam de uma colaboração estratégica com a ITOCHU Corporation, empresa japonesa de comércio e desenvolvimento de negócios internacionais, com força nos setores relacionados ao consumidor final, incluindo o setor têxtil.

Está na mídia:

VIRGIL ABLOH: O DESIGNER NEGRO MAIS DESEJADO DA ATUALIDADE E QUE ENCANTOU A LOUIS VUITTON


Aos 40 anos, Virgil Abloh é o designer negro de maior destaque no mundo atualmente — e acaba de dar mais um passo em direção ao trono. A LVMH, holding francesa de marcas de luxo como Louis Vuitton e Veuve Clicquot, acaba de comprar ações majoritárias da marca Off-White, criada pelo estilista em 2014. Virgil Abloh é primeiro diretor criativo negro da Louis Vuitton em 150 anos.

Está na mídia:

DENIM ENFRENTA AJUSTES RUMO À INOVAÇÃO E CIRCULARIDADE


Como uma das indústrias que mais consome água e energia, o denim tem enfrentado várias críticas na ótica da sustentabilidade. A GlobalData, empresa britânica especialista em análises e soluções inovadoras, afirma que o cenário está mudando à medida que aumenta a inovação e a circularidade.

Está na mídia:

PLATAFORMA DENUNCIA CONDIÇÕES DE TRABALHO DE GIGANTES DA MODA COMO NIKE E H&M


A pandemia foi brutal pra diversas marcas do varejo. Com lojas fechadas, muitas empresas viram seu faturamento cair drasticamente, forçando-as a rever seus modelos de negócio. O problema é que na hora de “ajustar” o lucro, muitas companhias renegociaram o salário de trabalhadores de países como Bangladesh, Camboja, Índia, Indonésia, Mianmar, Paquistão e Sri Lanka – uns dos principais polos têxteis do mundo! Entre as empresas que, apesar da Covid-19 tiveram lucro e mesmo assim cortaram a remuneração de seus fornecedores, estão a Nike, H&M e Primark.

Está na mídia:

NÃO-TECIDOS CRESCEM COM A PANDEMIA


A procura adicional para máscaras e têxteis médicos acelerou no ano passado, impulsionando as exportações de não-tecidos, onde a China continua a ser a grande fornecedora mundial. O crescimento, contudo, não deverá parar e nos próximos anos espera-se que o mercado para este tipo de produto continue a aumentar.

Está na mídia:

ALGODÃO ORGÂNICO PREPARA RECORDE


A última colheita, em 2019/2020, produziu a maior quantidade de algodão orgânico de sempre, num total de quase 250 mil toneladas. As previsões para 2020/2021 apontam para um novo crescimento, de 48%, respondendo a uma procura que se tem mantido consistentemente em alta.

Está na mídia:

FIBRA DE ALGODÃO AJUDA A TRANSFORMAR A VIDA DE BORDADEIRAS


O bordado é reconhecido como patrimônio cultural e imaterial do estado de Alagoas, por ser uma tradição regional transmitida de geração em geração, em geral de mães para filhas. O grande destaque deste artesanato se dá pela técnica do filé, que consiste na elaboração de uma rede constituída por uma linha 100% feita de algodão, esticada sobre um tear, onde os pontos com agulha resultam em peças decorativas e de vestuário.

Está na mídia:

SENAI CETIQT E FIOCRUZ TESTAM TECIDOS QUE PODEM SER 99,9% EFICAZES CONTRA DIVERSOS VÍRUS


Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com membros do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), testam novos tecidos que prometem filtrar até 99% das partículas virais. Os materiais são testados para diversos tipos de vírus, como os do sarampo, influenza, rubéola e o novo coronavírus. Segundo os cientistas, caso esses materiais sejam realmente eficazes, podem diminuir a disseminação de diversas doenças.

Está na mídia:

INDÚSTRIA TÊXTIL: FORÇA QUE IMPULSIONA A ECONOMIA DE MINAS GERAIS E DO BRASIL


A indústria têxtil e a moda, com toda a sua cadeia produtiva, tá com você no vestuário, tá nos calçados e bolsas, tá nas joias e bijuterias, tá presente em todos os momentos do seu dia a dia. Acordou? Ela tá na roupa de cama e tá no pijama. Vai para o banho? A toalha tá ali também. Vai se arrumar para sair ou trabalhar em casa? Pega a roupa e o calçado. Na hora do almoço tem a toalha de mesa. A indústria têxtil tá em tudo.